COBRAC - Congresso de Cadastro Multifinalitário e Gestão Territorial, COBRAC 2018

Tamanho da fonte: 
AVALIAÇÃO DA ACURÁCIA CARTOGRÁFICA PLANIMÉTRICA DO PRODUTO GERADO A PARTIR DE AERONAVE REMOTAMENTE PILOTADA (RPA)
Jean Lucas Paes de Farias, Ivan Merêncio, Carlos Antonio Oliveira Vieira

Última alteração: 2018-09-25

Resumo


Esta pesquisa avaliou a precisão cartográfica de um ortofotomosaico da cidade de Paulo Bento no Rio Grande do Sul-RS, de acordo com o Padrão de Exatidão Cartográfica – PEC (Decreto Nº 89.817/1984), verificando sua aplicabilidade para o cadastro técnico multifinalitário (CTM). Os produtos oriundos da aerofotogrametria são importantes no processo de implantação ou atualização do CTM, porém tornam-se inviáveis para municípios de pequeno porte. A utilização de aeronave remotamente pilotada (RPA) tornou-se uma alternativa atrativa como plataforma de imageamento e consequentemente viabilização dos custos, no entanto deve-se verificar o seu enquadramento quanto a acurácia cartográfica. Desta forma, essa pesquisa classificou um ortofotomosaico de acordo com a PEC, visando a aplicação para o CTM. Para isso, considerou-se uma área de estudos de 74 ha, contemplando a área urbana municipal com uma amostra de 27 pontos. O procedimento englobou a definição de número de pontos da amostra, extração das coordenadas do ortofotomosaico e sua correspondência no levantamento cadastral, análise do padrão de distribuição espacial e de tendência e classificação do produto quanto a PEC, com o auxílio do software GeoPEC 3.5. Os resultados preliminares apontam que o produto foi classificado como classe A (acurado e sem tendências) para a escala 1:1000. Observa-se que o uso de RPAs para municípios de pequeno porte frente a gestão territorial se apresentam como uma alternativa adequada, desde que seguidos os princípios da fotogrametria e da cartografia.

Palavras-chave


Precisão Cartográfica; Padrão de Exatidão Cartográfica (PEC); GeoPEC; Gestão Territorial

Texto completo: PDF